Série Erótica -Carol Primeira Parte - Descobertas




Filha de Carlos Eduardo mega empresário do ramo têxtil e Catarina renomada professora titular duma  das maiores instituições de ensino desse país. Carol como é conhecida pelos familiares é a filha única , muito bem amada e protegida do casal.Estudiosa centranda na sua faculdade ela sempre correspondia aos anseios dos pais com notas altas, e sempre aquele olhar de admiração dos mestres e professores do seu curso. Mas o que até mesmo a linda ninfa não sabia era que um desejo oculto iria despertar quando tocava o inter fone e a empregada chamou sua mãe:

- Dona Catarina o jardineiro que a senhora contratou esta aí na porta , mando entrar?

E Catarina responde:

- Sim Eulália peça para ele entrar e esperar no quintal

Nesse momento Carol passa da sala para o quarto e a janela que enfeita o local est[á de frente para o jardim de súbito ela olha , como quem não quer nada, e se depara coma  figura do jardineiro:
Com seu 1,95 de altura, porte atlético, sorriso largo, moreno ela ali demora-se a recompor. Em seus pensamentos parecia que o céu havia se aberto e descera um deus grego de lá.

- Carollllllllll, Carolllllllllllllll chama sua mãe por ela, onde você esta menina não ia para o seu quarto?

E Carol se desfaz do encanto e responde:

-  Oi mamãe sim estou........

E nesse estou...... quantos segredos e vontades passaram, e ela ali sonhava:
Com aquelas mãos densas e fortes a percorrer todo seu corpo, porte atlético, viril, másculo de João. Ela observando ele a limpar o jardim, sofria orgasmos, múltiplos mentais e nos seus sonhos cavalgava feito louca, no prazer de João. A entrega era tão intensa que quando acordava do  agradável passear de desejos estava exausta , seios rijos entregue ao total prazer...úmida intensa e molhada era também a mente , os desejos de renúncia de sua vida de luxos e pompas  para deitar-se ali e morrer de prazeres.  Fantasiava, imaginava dedos apressados , em sua máquina de prazer, arrepios pelo corpo totalmente entregues ao seus sonho, Carol não percebe nem o tempo e nem o espaço  eles voam no caminho da prazer, ali observando o jardineiro másculo ela da sua janela com cortinas um tanto abaixadas ali escondida abriu suas pernas e num vai e vem frenético ouviu-se um gemido . Mas era um gemido dum tesão contido de muito tempo, quando gemeu Carol quis desvencilhar também das hipocresias de sua sociedade, da alta sociedade, deitar-se com João seria um divisor de águas, um marco sair do tradicional,  para ir ao comum ser uma pessoa normal com 
sonhos, desejos e feitiches.

Continua....

Comentários