Descendente ( Poeta Allan Garrido)




As curvas da estrada
Que marcam e desaparecem
Espelham em meu coração
Quando as fagulhas das chamas aquecem
Ardendo de paixão

São os cânticos dos pássaros
Espalhando o som belo a melodia
Um som a enebriar o coração de alegria
Lembro do teu jeito amor de minha vida
Estamos eternamente entrelaçados


Na beleza dum lago avistei novamente
O sorriso terno do meu amor contente
E o céu sorri abrindo um belo luar
E eu muito quero te amar

O meu coração já vai na descendente
A espera de um sinal teu
Oh!!! meu amor quando é que isso vai chegar
Quando meu amor enfim vira me amar?
Quando é que estaremos frente a frente?


Poeta Allan Garrido Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.




Comentários